quarta-feira, 20 de maio de 2015

NOMOFOBIA – MEDO DE FICAR SEM CELULAR (TELEMÓVEL)

DEFINIÇÃO
É uma fobia ou sensação de angústia que surge quando alguém se sente impossibilitado de se comunicar ou se vê incontactável estando em algum lugar sem seu aparelho de celular ou qualquer outro TELEMÓVEL.
O termo é muito recente e se originou do inglês: No-Mo, ou No-Mobile, que significa SEM TELEMÓVEL.

Daí a expressão NOMOFOBIA ou FOBIA DE FICAR SEM UM APARELHO DE COMUNICAÇÃO MÓVEL.
A nomofobia é já reconhecida pela comunidade científica que tenta perceber as consequências da era tecnológica, em que vivemos.

Começam agora a ser diagnosticados distúrbios com base na utilização EXCESSIVA do computador, Internet, role play games, jogos com mundos virtuais e redes sociais.

A nomofobia é um transtorno do controle dos impulsos com um forte componente de ansiedade generalizada.

Alguém que apresenta algum transtorno no controle dos impulsos tem dificuldade para resistir à tentação de executar um ato que possa vir a ser prejudicial para si ou para os outros e obtém alívio e diminuição da tensão emocional e física quando a ação é executada.

Outra coisa importante, o transtorno de ansiedade faz parte da caracterização dos transtornos no controle dos impulsos e, neste caso, a pessoa é acometida por uma apreensão negativa em relação aos eventos futuros, provocando sensações de inquietação psíquica e sintomas físicos desagradáveis.

ORIGEM
Essa expressão surgiu na Inglaterra, onde mais de 50% da população é possuidora de telemóveis e mais de 13 milhões de britânicos, em pesquisa realizada pelo Instituto YouGov para o Departamento de Telefonia dos Correios britânicos.

A NOMOFOBIA EM SÍNTESE
Pessoas que sofrem de nomofobia deixam o celular ligado 24 horas por dia, sentem-se rejeitadas quando ninguém lhes telefona e enfrentam síndrome de abstinência quando estão sem o aparelho.

O problema pode estar ligado a outros transtornos, como ansiedade e depressão.

DIFICULDADE DE ACEITAR A FOBIA
Muitas pessoas nomofóbicas, porém, não aceitam que são portadoras desse tipo de fobia e atribuem a sua angústia a várias causas. Colocam a culpa no trabalho ou na necessidade de se comunicar com a família ou com amigos, no caso de alguma emergência.

AS BASES PARA O DIAGNÓSTICO
Os critérios de diagnóstico se apoiam na presença de três traços: exclusividade, tolerância e abstinência.

EXCLUSIVIDADE, porque a tecnologia é a única fonte de prazer;
TOLERÂNCIA, porque a pessoa passa a gastar um tempo cada vez maior com essa tecnologia;
E ABSTINÊNCIA, porque a pessoa apresenta sintomas desagradáveis quando está sem o aparelho, como irritabilidade, agitação e taquicardia.

SINTOMAS QUE PODEM INDICAR NOMOFOBIA:
• Confirmar obsessivamente o sinal e bateria do celular o dia todo;
• Ficar constantemente preocupado(a) em perder o TELEMÓVEL mesmo quando sabe que está em um lugar seguro;
• Nunca desligar o TELEMÓVEL;
• Verificar se recebeu mensagens ou avisos das redes sociais sucessivamente;
• Verificar (em férias, fins-de-semana ou antes de adormecer) o TELEMÓVEL;
• Mesmo atrasado(a) regressa a casa porque se esqueceu o TELEMÓVEL celular sem que fosse precisar dele efetivamente;
• O TELEMÓVEL nunca sai do campo de visão, é transportado da sala para a cozinha, para a casa de banho, entre outros;
• Não "esquecer" o TELEMÓVEL num jantar de amigos, convívios familiares, reuniões de trabalho, encontros amorosos, etc;
• Deixar de passar à tarde com os filhos, ver uma exposição, filme no cinema, passear com o cão, faz exercício ou frequenta aulas, por causa do TELEMÓVEL;
• Cancelar encontros em decorrência de não ter como acessar o TELEMÓVEL;
• Evitar locais e situações que não tenha como acessar wifi e consequentemente usar o TELEMÓVEL;
• Comprar vários aparelhos de celular e/ou outros TELEMÓVEIS, alegando sempre as necessidades extras;
• Comprometer salário e bem estar comprando TELEMÓVEIS alegando sempre o avanço tecnológico.

CONSEQUÊNCIAS DA NOMOFOBIA
• Problemas nos relacionamentos interpessoais, entre amigos, colegas de trabalho e familiares;
• Perder o contato direto com o outro, o aumento dos smartphones e tecnologias tendem a fazer as pessoas se aproximarem mais no "mundo virtual" do que no real;
• Destruição das habilidades de comunicação interpessoal (inatas) com aqueles que amamos;
• Aumento da ansiedade e do estresse no dia a dia da pessoa;
• Frustrações acumuladas em decorrência de respostas atempadas e imediatas;
• Baixa no rendimento escolar;
• Baixa no rendimento profissional;
• Perda do alibido e desinteresse sexual;
• Perda do sentido da realidade, passando a pensar e agir de modo alienado, como se tivesse sozinho no mundo;
• Possibilidade de desenvolver enfermidades emocionais mais graves como depressão e até desenvolver esquizofrenia.

TRATAMENTO
De acordo соm especialistas, о tratamento раrа а nomofobia deve ѕеr о mеѕmо usado contras аѕ demais fobias.

Ou seja, о tratamento nãо difere dе outras patologias соmо acrofobia оu à claustrofobia, (medo dе altura е dе lugares fechados, respectivamente), роr exemplo.

Todas devem tеr um acompanhamento dе perto соm psicólogos, оu mesmo, psiquiatras, levando еm consideração, о combate а ansiedade.

É importante ressaltar quе cada caso é um caso, devendo о indivíduo portador buscar orientação о mаіѕ rápido possível.

Ou seja, quanto antes buscar atendimento, mаіѕ rápido а detecção dо problema e, assim о ѕеu tratamento.

O tratamento pode ser feito através da psicoterapia, em especial a comportamental, sendo usada a técnica de exposição e em alguns caso o uso de medicação para diminuir a ansiedade.

O TESTE
1. Já disseram que você passa tempo demais usando celular?
2. Seus amigos e familiares se queixam da maneira como usa o aparelho?
3. Tenta esconder de conhecidos a quantidade de tempo que gasta acessando o celular?
4. Acaba usando o celular por um tempo maior do que gostaria?
5. Já usou o aparelho para conversar com outras pessoas quando se sente sozinho?
6. Perde horas de sono por conta do tempo que gasta com celular?
7. Quando você está longe do aparelho fica preocupado em ter perdido ligações?
8. Já usou o aparelho para se sentir melhor quando está triste?
9. Sente-se perdido sem o seu celular?
10. Sua produtividade caiu como resultado direto do tempo gasto no celular?
11. Acontece de você preferir usar o celular para não ter de lidar com questões mais urgentes?
12. Sente-se ansioso se o celular ficou desligado por algum tempo?
13. Já usou o celular para conversar com pessoas quando se sente deslocado numa situação?
14. Você usa o celular quando deveria estar fazendo outras caisas e isso lhe acarreta problemas?
15. Acha difícil desligar seu celular?
16. Acredita que nunca passa tempo suficiente usando o celular?
17. Já tentou usar menos o celular, mas não conseguiu?
18. Fica irritado quando não tem celular nas mãos?
19. Entra em pânico quando percebe que a bateria do celular vai descarregar e não tem aonde corregar a bateria novamente?
20. Sente medo, angústia e palpitações quando pensa em ficar sem celular?

RESULTADO:
07 RESPOSTAS POSITIVAS

- CUIDADO VOCÊ PODE ESTAR PREDENDO O CONTROLE.
08 – 11 RESPOSTAS POSITIVAS
- É POSSÍVEL QUE VOCÊ JÁ TENHA UMA DEPENDÊNCIA INSTALADA.
12 – 20 RESPOSTAS POSITIVAS
- VOCÊ JÁ PODE SER CONSIDERADO UM NOMOFÓBICO E DEVE BUSCA AJUDA DE UM ESPECIALISTA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL.
Postar um comentário