sexta-feira, 8 de julho de 2016

CRISE EXISTENCIAL


O QUE É CRISE EXISTENCIAL
Uma crise existencial pode ocorrer quando as respostas a perguntas sobre o significado e o propósito da vida (assim também como o seu lugar nela) deixam de fornecer satisfação, direção ou paz mental.

Quando você se encontra contemplando a vida, sem saber que realização ilusória está procurando, as coisas podem ficar mentalmente caóticas. Porém, com um pouco de propósito e determinação, você irá voltar a ter paz.

Resumindo, é um momento no qual um indivíduo questiona os próprios fundamentos de sua vida: se esta vida possui algum sentido, propósito, ou valor.

ORIGEM DO TERMO CRISE EXISTENCIAL
O termo ‘crise Existencial’ amplamente explorado hoje surge na virada do existencialismo, movimento filosófico, ressurgido entre os anos de 1940 e 1950.

COMO SE MANISFESTA
Interior tumultuado, a mente barulhenta, o coração apertado e a alma confusa, conflitos, saudades, arrependimentos. 

Uma insatisfação aqui, outra insatisfação ali.

O emprego não está bom, a vida amorosa anda vazia ou complicada, solidão, aparência fora do padrão, idade avançando, baixa autoestima, sem ânimo, sem alegria, pensativo.

Questionando, questionando.

Pensar e refletir sobre o verdadeiro significado da vida e do viver, da morte e do morrer entre tantas outras charadas, é uma prática que toca muita gente.

QUANDO E COM QUEM ACONTECE
As crises existenciais não têm hora, lugar ou uma razão específica para acontecer.

Afinal, ss questionamentos são naturais, fazem parte da nossa natureza humana, e a razão de nos perguntarmos é porque existe algo ali fazendo cócegas, causando certo incômodo.

E a única forma de fazer com que ela deixe de dominar nossos pensamentos é descobrir e compreender o que está por trás dela.

Quem sou eu? O que eu estou fazendo aqui? Qual é o sentido da vida? Quem nunca passou por uma crise existencial que atire a primeira pedra.

Todo mundo já passou por crises existenciais.

O QUE PODE OCASIONAR UMA CRISE EXISTENCIAL
Apesar de ser a crise existencial algo comum e esperado na vida de qualquer pessoa, algumas coisas podem ocasionar os surtos de crises existenciais.

Situações podem ocasionar as crises, vejamos:
Depressão Nervosa
Privação do sono
Isolamento prolongado
Insatisfação com a própria vida
Grande trauma psicológico
O sentimento de solidão e isolação no mundo;
Uma nova compreensão ou apreciação da própria mortalidade, talvez após o diagnóstico de um importante problema de saúde tal como uma doença terminal;
Crença de que a vida não possui um propósito ou sentido externo;
Procura pelo sentido da vida;
Quebra do sentido da realidade ou de como o mundo é;
Uma experiência extremamente agradável ou prejudicial que deixou a busca por um sentido.

Apesar de ser algo tido como normal, a crise existencial pode ser provocada por um evento importante na vida e uma pessoa — trauma psicológico, casamento, divórcio, grande prejuízo, a morte de um amado, uma experiência com risco de vida, um novo parceiro no amor, uso de droga psicoativa, filhos adultos deixando a casa, atingindo uma idade pessoalmente significante (completando 16 anos, completando 40 anos, etc.), etc. 

Geralmente, provoca o sofrimento de introspecção sobre a mortalidade pessoal, revelando, assim, a repressão psicológica da consciência referida.

A CRISE EXISTENCIAL COMO RESULTADO DE ROMPIMENTO DA ILUSÃO
A crise existencial pode surgir devido rupturas de projeto de vida ligados geralmente à lutos, perdas, separações ou acontecimentos desorganizadores do cotidiano. 

Nesse sentido a crise existencial está sempre ligada à quebra de um processo de ilusão, que se relacionam às questões da finitude de vida ao se deparar com situações limítrofes que nos dão um senso de realidade e finitude. 

Ao contrário do senso de realidade, constrói-se inconscientemente a ilusão de que somos infinitos, onipotentes e eternos, como toda boa na ilusão, muitas vezes é aquele pé capenga da mesa que está “bamba”, que ainda segura a mesa. 

Os processos de ilusão quando se rompem podem acionar um gatilho para a crise existencial. 

A ilusória certeza de uma perda de situação passada ou da expectativa futura vivida como permanência ou posse se torna a grande lição desse processo, a vida vai nos ensinar em meio à crise de que não possuímos nada.

SINAIS QUE INDICAM QUE ALGUÉM SE ENCONTRA EM CRISE EXISTENCIAL
1. A pessoa fica muito sensível e TUDO é motivo para chorar ou imaginar a morte dolorosa de alguém - é como uma TPM infinita, só que você definitivamente não está de TPM;
2. A pessoa não sabe o que fazer, literalmente - não sabe se sai do seu estágio e vai fazer um mochilão, se pinta o cabelo de rosa, ou se fica em casa comendo pipoca... PARA SEMPRE; 
3. A pessoa pode começar a desenvolver ou aumentar hábitos nocivos, como o de beber, fumar, farrear, gastar, etc.;
4. A pessoa começa gastando TODO o seu dinheiro em chocolate e cigarros e diversões;
5. A pessoa tem um surto de pesquisa sobre autoajuda; faz pesquisa na internet sobre o sentido da vida; fica participando de cursos e palestras de autoajuda, mudança de vida, motivação, etc, etc; 
6. A pessoa fica lendo horóscopos online torna-se o seu mais novo passatempo; busca ajuda espiritual, experimenta novas religiões, etc;
7. A pessoa passa a acreditar no céu, no inferno, ou duvida da existência dos mesmos;
8. A pessoa se torna extremamente pessimista quanto ao futuro e as coisas estabelecidas;
9. A pessoa decide que precisa mudar a sua vida, faz planos mil e começa a ficar animado, mas em seguidas faz coisas totalmente diferentes;
10. A pessoa acha tudo chato, nada agrada ou anima;
11. A pessoa pode chegar a questionar Deus, a Família, a sua Religião, as Autoridades constituídas, etc.

Os sinais variam de pessoa para pessoa, mas normalmente vamos encontrar muitos desses sinais em pessoa que estão passando por crise existencial.

AS FASES DA VIDA E A CRISE EXISTENCIAL
A vida de todos nós é formada por vários períodos de mudança e transformação. 

Diante dessa realidade, não temos como fugir das crises, mas podemos aprender a lidar com elas. 

Isso exige amadurecimento das emoções e controle dos pensamentos, o que leva tempo e provoca algum sofrimento. Mas existem algumas estratégias.

Os ciclos psicossociais são abertos pela idade (infância, adolescência, maturidade), pelas relações (namoros, casamento, família) e pelas atividades (escola, vestibular, empregos). Nunca passamos de um ciclo para o seguinte impunemente. Entretanto, se por um lado não temos como fugir das crises, por outro aprendemos com elas - e por isso evoluímos.

Aqui entra as várias fases da vida, que de uma maneira ou outra, influenciam em muito o surgimento de crises existenciais.

Todos nós sabemos que é de praxe dividir a vida de uma pessoa em quatro fases: infância, 
adolescência, maturidade e velhice. 

No entanto,  no mundo moderno, cada uma dessas quatro fases apresenta-se dividida em subfases, a tal ponto de algumas delas já serem consideradas novas etapas.

Entre a adolescência e a maturidade atualmente colocamos mais uma, que é chamada de fase dos Anos de Odisséia. É justamente nessa idade que o jovem enfrenta sua primeira crise existencial diante do imenso conjunto de oportunidades que estão à disposição. 

Escolhas são difíceis porque pressupõem renúncias, e a opção por uma carreira transforma-se em uma espécie de condenação.

Entre a maturidade e a velhice acabamos de colocar mais uma fase, chamada de envelhescência.

É a adolescência do adulto que não quer ficar velho. Já passou dos 60, mas continua produtivo como nunca e ainda está fazendo planos. Só que, assim como o adolescente, ele tem dúvidas sobre o futuro.

Estamos todos condenados a enfrentar crises existenciais na medida em que amadurecemos e vamos experimentando as várias fases da vida. 

Sofremos, mas nem sempre isso precisa ser ruim.

O LADO BOM DA CRISE EXISTENCIAL
A crise tira às pessoas da zona de conforto e desperta a criatividade. 

Até os economistas podem ajudar a entender essa evolução. Segundo eles, uma empresa só prospera se fechar seus ciclos de crescimento, que são formados por quatro etapas: expansão, recessão, depressão e recuperação.

A recuperação, entretanto, só ocorre porque na depressão a empresa entra em crise e se torna mais criativa e produtiva. 

Há empresas, entretanto, que usam a crise para procurar culpados e não soluções. Pois na vida é a mesma coisa. 

Se você não entra em crise vai se acostumando com a situação, mesmo que ela não seja favorável.

Somos salvos pela crise porque reagimos a ela. Caso contrário, vamos morrer lentamente, sendo enganados pelo conforto proporcionado pela estabilidade e pela conformidade.

CUIDADOS QUE SE DEVEM TER DURANTE UMA CRISE EXISTENCIAL
Quando a crise existencial se instala, algumas exigências se fazem no percurso, isto envolverá sempre necessidade de mudança, viver sem mudar se torna inviável. 

As mudanças envolvem um despedir-se de um determinado modo de ser, renúncias de si ou de outros, que acaba sendo de novo uma ruptura. 

Toda crise existencial envolve também uma cura existencial. 

A crise pode ser conduzida como propiciadora de expansão da consciência, de uma análise clara dos aspectos paralisantes e também dos possíveis ajustamentos advindos dessa crise, tais aspectos poderá trazer cura para a alma.

Postar um comentário