segunda-feira, 19 de setembro de 2016

MENOPAUSA E CLIMATÉRIO: CAUSA, SINTOMAS E TRATAMENTO


Menopausa é o nome que damos à última menstruação da mulher, evento ocasionado pela falência dos ovários, caracterizada pela interrupção da ovulação e da produção de estrogênio.

É um processo inevitável, irreversível e universal para todas as mulheres. O termo menopausa é muitas vezes empregado erradamente, sendo confundido com climatério.

A menopausa é um momento marcante na vida das mulheres. Ela é um evento inevitável, que ocorre devido ao esgotamento dos óvulos e o consequente fim dos ciclos ovulatórios, caracterizando a transição entre a idade fértil e o climatério.

MENOPAUSA E CLIMATÉRIO
Para que não haja confusão com os termos, é bom lembrar que menopausa é o nome dado à última menstruação da vida da mulher, enquanto climatério é período pós-menopausa, ou seja, a fase da vida que se inicia após a última menstruação. 

Portanto, não é tecnicamente correto dizer que uma mulher está na menopausa. 

O certo é dizer que a mulher teve a sua menopausa e agora encontra-se no climatério.

MARCOS NA VIDA REPRODUTIVA DAS MULHERES
Avida reprodutiva da mulher apresenta dois importantes marcos: a menarca, que é a primeira menstruação, e a menopausa, sua última menstruação. 

A primeira é o sinal de que a vida fértil da mulher está sendo iniciada, enquanto a segunda é o sinal de que o período fértil chegou ao seu fim.

Repetindo:
A MENARCA é a primeira menstruação da vida da mulher.

A PRÉ-MENOPAUSA é o período de 3 a 7 anos antes da menopausa, ou seja, os últimos 3 a 7 anos de idade fértil.

A MENOPAUSA é a última menstruação da vida da mulher.

A PÓS-MENOPAUSA é o período que inicia-se após a última menstruação, ou seja, após a menopausa. Pós-menopausa e climatério são sinônimos.

A PERIMENOPAUSA é o período que engloba a pré-menopausa e o primeiro ano de pós-menopausa.

A IDADE DA MENOPAUSA
A menopausa é causada pelo envelhecimento dos ovários e pela depleção dos seus folículos, que são um agregado de células que dão origem aos óvulos. 

As mulheres nascem com cerca de 450.000 potenciais óvulos estocados nos folículos ovarianos. Esses óvulos começam a ser eliminados pelo organismo desde antes do nascimento, um processo progressivo que se completa, em média, quando a mulher atinge os 50 anos. 

Na verdade, 90% das mulheres têm sua menopausa entre os 45 e 55 anos. 

Cerca de 5% podem tê-la mais próximo dos 40 anos e outros 5% mais próximo dos 60 anos.

O QUE É MENOPAUSA PRECOCE
A maioria das mulheres entra na menopausa “natural” entre os 45 e 55 anos. A média é 51 anos de idade. Quando a menopausa surge antes dos 40 anos, dizemos que a mulher teve uma menopausa precoce, pois seus ovários entraram em falência mais cedo do que o habitual.

CAUSAS DE MENOPAUSA PRECOCE
A menopausa precoce surge quando a mulher já nasce com uma reserva menor que a esperada de folículos ovarianos ou quando ao longo da vida, por motivos diversos, os seus folículos são consumidos de forma mais rápida que o habitual.

Outras causas:
Defeitos cromossomiais, drogas e toxinas, doenças autoimunes, do sistema imunológico, Remoção dos ovários.

Estudos mostram que:
– 0,1% das mulheres entram em menopausa antes dos 30 anos.
– 0,25% das mulheres entram em menopausa antes dos 35 anos.
– 1,0% das mulheres entram em menopausa antes dos 40 anos.

MUDANÇAS HORMONAIS
A partir dos 35 anos os folículos ovarianos ainda viáveis já dão sinais de envelhecimento, tornando-se menos responsivos às ações hormonais que estimulam a ovulação, como o aumento da concentração sanguínea do Hormônio Folículo Estimulante (FSH).

Sem querer entrar em mecanismos hormonais complexos, vale a pena explicar que o FSH, produzido pela glândula hipófise dentro do sistema nervoso central, é o hormônio responsável pela produção de estrogênio e progesterona, além da maturação dos folículos ovarianos, o que, em última análise, leva à ovulação.

Resumindo, a menopausa organismo deixa de produzir, de forma lenta e gradativa, os hormônios estrogênio e progesterona.

PRINCIPAIS SINTOMAS

ONDAS DE CALOR – FOGACHO
O fogacho, também chamado de afrontamento, são as famosas ondas de calor que ocorrem na perimenopausa. 

O fogacho é o sintoma mais comum da menopausa, ocorrendo em mais de 80% das mulheres.

Os calores são causados pela redução da produção de estrogênio, o que provoca uma desregulação do termostato normal do corpo. Os afrontamentos iniciam-se no período pré-menopausa e costumam durar até 2 anos após a menopausa. 

Durante o restante do climatério, eles costumam desaparecer, mas cerca de 10% das mulheres permanecem tendo-os por muito tempo, algumas até os 70 anos. A pior fase dos calores costuma ser no ano anterior à menopausa.

O fogacho geralmente começa como uma súbita sensação de calor centralizado na parte superior do tórax e rosto, mas que rapidamente torna-se generalizada. A sensação de calor dura de dois a quatro minutos, é freqüentemente associada a uma transpiração abundante e, ocasionalmente, palpitações. 
Também são comuns a ocorrência de calafrios, tremores e um sentimento de ansiedade.

A frequência dos afrontamentos varia muito, desde apenas 1 ou 2 episódios por dia até dezenas de episódios ao longo das 24 horas. As ondas de calor são particularmente comuns à noite.

SUORES NOTURNOS
A sudorese noturna é uma variante dos fogachos. Em algumas mulheres, os afrontamentos ocorrem predominantemente à noite, provocando uma intensa sudorese durante o período do sono. Em muitos casos, esses afrontamentos noturnos atrapalham o sono e agravam os sintomas de cansaço e irritação da perimenopausa.

O consumo de bebidas alcoólicas durante o dia e um quarto mal ventilado colaboraram para o agravamento dos afrontamentos noturnos.

INSÔNIA
Os afrontamentos noturnos, como já referido, são importante causa de pertubação do sono no período perimenopausa. Eles, porém, não são os únicos. Muitas mulheres na pré-menopausa têm dificuldades para dormir mesmo na ausência dos fogachos.

A insônia pode surgir até 7 anos antes da menopausa e costuma se agravar no último ano da pré-menopausa. Mulheres ansiosas ou deprimidas costumam ser aquelas com maior dificuldade para dormir.

MENSTRUAÇÃO IRREGULAR
Alterações do período menstrual já podem ocorrer antes mesmo da mulher entrar no período pré-menopausa. Inicialmente as alterações são sutis e incluem mudanças na intensidade do sangramento e encurtamento do ciclo.

Conforme a menopausa vai se aproximando, as alterações menstruais se tornam mais óbvias. O ciclo agora passa a ser irregular e torna-se mais longo, podendo durar 40 a 50 dias. O volume menstrual se altera (para mais ou para menos) e escapes podem ocorrer no meio do ciclo.

A menstruação vai se tornando cada vez mais irregular, até desaparecer. A mulher na pré-menopausa não tem como saber quando será sua última menstruação. O diagnostico da menopausa só pode ser estabelecido retrospectivamente, quando a mulher completar 1 ano sem menstruar novamente.

DEPRESSÃO
Mulheres na pré-menopausa têm 2,5 vezes mais chances de entrar em depressão do que em outras fases da vida. 

O risco é ainda maior naquelas que têm severos sintomas da pré-menopausa, principalmente fogachos e distúrbios do sono. 

A depressão também pode ocorrer em mulheres que se veem aproximando-se da menopausa e ainda desejam engravidar.

Acredita-se que a redução dos níveis de estrogênio, associada aos sintomas incômodos da pré-menopausa e ao fato da mulher reconhecer que está ultrapassando a fronteira entre a juventude e a velhice, colaborem para uma maior incidência de depressão neste período. Após o primeiro ano de climatério, o risco de depressão começa a cair.

ANSIEDADE
A ansiedade durante a perimenopausa é provavelmente causada pela queda nos níveis de estrogênio circulantes no corpo, o que reduz a produção de neurotransmissores responsáveis pela regulação do humor, como a serotonina e a dopamina.

ALTERAÇÕES DO HUMOR
Pelos mesmos motivos expostos no tópico anterior, a flutuação dos níveis de estrogênio é responsável pela grande variedade do humor das mulheres no período pré-menopausa. Durante um único dia, a mulher pode alternar entre euforia, raiva e tristeza, sem haver um motivo real para tal.

Quando os sintomas físicos da menopausa são importantes, os sintomas emocionais também costumam ser.

SECURA VAGINAL
O revestimento da vagina  é composto por tecidos dependentes de estrogênio. 

A deficiência de estrogênio que ocorre na menopausa leva ao adelgaçamento do epitélio vaginal, resultando em atrofia da vagina (vaginite atrófica) e sintomas de secura vaginal, coceira e dor durante o ato sexual (chamada de dispareunia).

A secura vaginal inicia-se na pré-menopausa, mas torna-se realmente evidente no climatério.

REDUÇÃO DA LIBIDO
As alterações hormonais típicas da menopausa são as responsáveis pela redução da libido na mulher. Além disso, a própria secura vaginal pode tornar o ato sexual doloroso, o que, aliado a uma redução do aporte de sangue para a região vaginal e vulvar pela deficiência de estrogênio, pode reduzir a capacidade da mulher de ter prazer com o sexo.

MEMÓRIA FRACA
O estrogênio também parece ter importante papel no funcionamento normal do cérebro feminino.

Na perimenopausa, as mulheres podem começar a ter lapsos de memória de curto prazo, tornando-se mais comuns esquecimentos triviais, tais como onde guardou a chaves, aniversários de amigos e datas de reuniões. Em geral, não é nada muito grave, mas em pessoas muito metódicas, pode ser algo que gere grande incômodo.

Os lapsos de memória são mais comuns em mulheres deprimidas, estressadas ou muito cansadas.

DIFICULDADE DE CONCENTRAÇÃO
Seguindo a mesma lógica do tópico anterior, as alterações dos níveis de estrogênio causam alterações na capacidade de concentração das mulheres na perimenopausa. 

Além disso, os outros sintomas da menopausa, como insônia, cansaço, ansiedade, fogachos, etc, também colaboram para uma menor capacidade de se focar nos estudos ou no trabalho.

DOR NAS ARTICULAÇÕES
A saúde das articulações, tendões, ligamentos e músculos também sofre com a queda dos níveis de estrogênio. Cerca de 60% das mulheres na pré-menopausa queixam-se de dores articulares. Mulheres obesas ou com sobrepeso são as que mais têm problemas.

Ao contrário de vários sintomas da menopausa que desaparecem no climatério, as dores nas articulações costumam permanecer.

PELE SECA
A redução dos níveis de estrogênios está relacionada a uma queda na produção de colágeno, que é a substância que mantem nossa pele firme e com boa aparência.

Portanto, quando a produção de colágeno é alterada, a pele fica mais fina, mais seca, mais descamativa e menos jovem. O ressecamento da pele pode provocar coceira, que em alguns casos pode ser bastante incômoda.

QUEDA DE CABELO
A saúde do cabelo das mulheres também está intimamente ligada aos níveis de estrogênio e colágeno. Na perimenopausa, a mulher começa a notar que a qualidade do seu cabelo se altera, tornando-se mais seco, quebradiço e caindo com mais facilidade. Essa situação tende a ser agravar no climatério.

UNHAS FRACAS
Assim como a pele e o cabelo, a saúde das unhas também sofre com a redução dos níveis de estrogênio. Na perimenopausa, as unhas começam a ficar mais ressecadas e fracas, podendo quebrar com facilidade.

CANSAÇO
O cansaço, a falta de energia e a pouca disposição para eventos do dia-a-dia também são extremamente comuns antes da menopausa. Eles ocorrem não só pelos desequilíbrios hormonais, mas também pelas alterações de humor e pela falta de sono. Em geral, o cansaço melhora na fase do climatério.

GANHO DE PESO
O metabolismo e a forma como o corpo armazena gordura se alteram com a redução dos níveis de estrogênio. O gasto calórico basal do corpo diminui, fazendo com que seja mais fácil engordar com menos calorias. Além disso, o corpo passa a ter um padrão de acúmulo de gordura mais parecido com os homens, com mais deposição de gordura na barriga e ao redor da cintura.

DOR NA MAMA
Mastodinia é o termo usado para dor nas mamas. Esse sintoma é muito comum nos primeiros anos da pré-menopausa, mas vai ficando mais brando conforme a menopausa se aproxima. Em geral, ele desaparece no climatério.

DOR DE CABEÇA
Existe um tipo de enxaqueca que está relacionada ao período menstrual, ocorrendo de forma cíclica todo o mês, logo antes da menstruação descer. As mulheres que têm esse tipo de dor de cabeça podem notar um agravamento da mesma quando entram na pré-menopausa.

Mesmo mulheres que nunca tiveram dor de cabeça relacionada à menstruação podem passar a tê-la na perimenopausa. Em geral, a enxaqueca começa até 7 anos antes da menopausa e vai se intensificando conforme o ciclo menstrual vai ficando cada vez mais irregular.

PALPITAÇÕES
Conforme a menopausa se aproxima, palpitações e sensação de batimentos cardíacos alterados vão se tornando comuns. Habitualmente, não há motivos para preocupação e as palpitações somem no climatério.

Pacientes ansiosas e com fogachos intensos podem ter palpitações com mais frequência.

INFECÇÃO URINÁRIA
Assim como ocorre com a vagina, a uretra, canal que transporta a urina vinda da bexiga, é revestida por um tecido muito sensível ao estrogênio. 

Durante a pré-menopausa ela torna-se mais fina, ressecada, menos elástica e mais irritável, facilitando a invasão por bactérias.

Algumas mulheres podem passar a ter infecção urinária de repetição a partir da menopausa, situação que pode ser contornada com a aplicação de estrogênio vaginal.

PELOS FACIAIS
Na perimenopausa as relação entre os níveis de estrogênio (hormônio feminino) e androgênios (hormônio masculino) se alteram. Toda mulher  produz pequenas quantidades de androgênios durante a vida, cujo os efeitos são bloqueados pelo estrogênio.  

Conforme a menopausa se aproxima, os níveis de estrogênios caem e os de androgênios sobem. 

Esse aumento dos hormônios masculinos podem provocar o aparecimento de pelos na face da mulher, principalmente no queixo.

Além do queixo, novos pelos também podem surgir na região do bigode, nas bochechas e até no peito e no abdômen.

OSSOS FRACOS
Conforme envelhecemos, nossos ossos vão se tornando mais fracos. Esse processo é bastante acelerado pela falta de estrogênios da menopausa, fazendo com que mulheres estejam muito mais sujeitas à osteoporose e fraturas, como a do colo do fêmur, do que os homens.

Conforme o climatério avança, mais comum torna-se a ocorrência de osteoporose.

DESEQUILÍBRIO E TONTURAS
Episódios súbitos de tonturas e perda do equilíbrio costumam se tornar mais frequentes na perimenopausa. As causas ainda não estão bem esclarecidas, mas, como todos os sintomas da menopausa, há um importante componente da falta de estrogênios.

SENSAÇÃO DE BARRIGA INCHADA
Uma sensação de barriga inchada ou distendida é comum no período perimenopausa. Mulheres que já apresentavam esse sintoma durante a sua menstruação costumam ser as que mais sofrem nesta fase.

Acredita-se que a redução do estrogênio altere a forma com o corpo digere as gorduras da alimentação, fazendo com que haja maior produção de gases, o que seria o responsável pela sensação de barriga inchada.

TRATAMENTO DA MENOPAUSA
A menopausa não é uma doença, é um processo natural do organismo da mulher. Portanto, não é preciso tratar a menopausa em si. 

Quando dizemos tratamento da menopausa, estamos nos referindo ao controle dos sintomas inconvenientes da falência dos ovários e à prevenção de problemas crônicos, como a osteoporose.
Entre as opções de tratamento para a menopausa, podemos citar:

Reposição hormonal
A reposição de estrogênio (geralmente com progesterona) continua a ser, de longe, a opção mais eficaz de tratamento para aliviar boa parte dos sintomas da menopausa, incluindo fogachos, insônia, irritação, dores articulares e perda de massa óssea.

Antigamente, recomendava-se a reposição hormonal por vários anos, mesmo para mulheres idosas no climatério. Após estudos demonstrando aumento do riscos de doenças cardíacas, AVC, trombose e câncer da mama com a reposição prolongada de estrogênios, a forma de repor hormônios mudou radicalmente.

Hoje em dia a indicação de hormônios é apenas para combater os sintomas da pré-menopausa em mulheres ao redor dos 40 e 50 anos. O tratamento é feito por no máximo 5 anos, período no qual os estudos mostram haver pouco risco de efeitos adversos.

Estrogênio vaginal
Para aliviar a secura vaginal, o estrogênio pode ser administrado diretamente na vagina, usando um comprimido vaginal, anel ou creme . Este tratamento ajudar a aliviar a secura vaginal, o desconforto com a relação sexual e alguns sintomas urinários.

Antidepressivos em doses baixas
Certos antidepressivos da classe de medicamentos chamados inibidores da recaptação da serotonina (ISRS) podem diminuir os calores da menopausa e reduzir a incidência de depressão.

Controle da osteoporose
Não se usa mais estrogênio a longo prazo para prevenir a osteoporose. Atualmente o tratamento é feito com reposição de cálcio, vitamina D e bifosfonatos (alendronato ou risedronato).

Postar um comentário