quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

CONSUMISMO, NARCISISMO E A DITADURA DA FELICIDADE

 
Fica cada vez mais evidente, em nossa civilização, o surgimento de um novo estilo de vida que influencia gostos, costumes, atitudes e comportamentos dos indivíduos de forma geral.
 
Os avanços tecnológicos e a busca exacerbada pelo prazer potencializam o “individualismo” dando ênfase aos aspectos mais preponderantes do narcisismo em nossa sociedade.
 
Na visão psicanalítica, o narcisismo que acontece na infância é considerado como primário e é parte do processo normal do desenvolvimento humano.
 
Nesse primeiro momento, a energia libidinal estaria concentrada no Ego servindo de proteção, além de fonte de fantasias.
 
O Ser nessa condição está totalmente voltado para si. Essa etapa é indispensável para o desenvolvimento humano e não se confere a ela nenhuma patologia.
 
O narcisismo, portanto, retrata a tendência do indivíduo de alimentar uma paixão por si mesmo.
 
Noutras palavras, é um estado psicológico em que o ser humano é incapaz de amar outra pessoa além de si mesma.
 
Segundo Freud, isso acontece com todos até certo ponto, a partir do qual deixa de ser saudável e se torna doentio, conforme os parâmetros psicológicos e psiquiátricos.
 
Com o desenvolvimento do indivíduo essa energia libidinal ligada ao Ego tende a se deslocar para os objetos, ou seja, o Ego narcísico passará a procurar no Outro a realização de seus desejos e satisfação.
 
Quando isso não acontece, instala-se o narcisismo patológico.
 
Numa sociedade consumista, a libido é novamente redirecionada ao Eu, ou seja, há uma regressão ao narcisismo e a sociedade é pautada por certas características: supervalorização da auto-realização, egocentrismo, personalidade centrada no EU, no individualismo, particularismo, hedonismo, busca por viver intensamente o presente, sentimento de desprezo e apatia pelo coletivo, buscando apenas a própria vantagem, só necessitando do Outro como instrumento de confirmação do próprio Eu.
 
Nesse contexto, o Outro, é também apresentado como objeto para o consumo.
 
De acordo com Costa (1988), os distúrbios narcísicos, neste contexto, resultam de uma ampliação da experiência de impotência e desamparo, bem como de um clima de desorientação e ansiedade que tendem a se generalizar. 
 
Assim, o narcisismo se revela com o objetivo de evitar desprazer, dor, sofrimento ou privação.
 
Essa nova conjuntura leva o indivíduo a criar uma identidade pautada no consumismo, transformando tudo e todos em mercadorias que podem ser consumidas, coagindo o indivíduo a comprar para se sentir feliz tornando o que se pode chamar de ditadura da felicidade.
 
Esta "felicidade material" faz com que a sociedade torne-se cada vez mais alienada – refém da própria existência.
 
A felicidade passa a ser pautada na aquisição de bens e poder- no consumo. Assim, é mais feliz quem consumir mais.
 
O objetivo natural do homem é ser feliz. Ao longo da civilização, muitos foram os caminhos percorridos pelo ser humano na busca dessa realização.
 
Na Antiguidade, Idade Média e Modernidade a felicidade estava ancorada no Outro – no social, no coletivo – enquanto na atualidade, o ancoradouro da felicidade é o Eu – no indivíduo.
 
Observamos a exacerbação do individualismo e a fragilidade dos laços sociais.
 
Na prática, ao contrário de tempos antigos em que a sensação de encontro com a felicidade se via confirmada pelos Ideais mais amplos: Nação, Ideologias, Utopias, Família – hoje, temos a sensação de felicidade apenas quando não somos frustrados em nosso narcisismo.
 
Desse modo, a sociedade pós-moderna culminou não só com o Narcisismo, mas, também com:
Hedonismo: a busca incessante do prazer;
Niilismo: vazio existencial;
Pluralismo: onde não há absolutos, onde a verdade é relativizada;
O Consumismo, com a valorização do Ser pelo Ter;
Pragmatismo: sacrifício ao futuro em prol de um imediatismo total e escravizador, na busca desenfreada por resultados;
Individualismo: o homem passa a ser a medida de si mesmo, anulando tudo e todos ao seu redor;
Utilitarismo: onde o foco está nas vantagens do Ser, somado ao conceito do descartável.
 
Se é que, ainda, possamos interferir neste processo devemos: proteger nossas crianças da publicidade excessiva, do consumismo, estimular sua imaginação e criatividade, promover o contato com a natureza e com os livros.
 
Só, assim, poderemos ter no futuro, adultos responsáveis, mais sensíveis e solidários, motivados a agirem como agentes transformadores da sociedade.
 
(Texto da Profa. Dra. Edna Paciência Vietta)
Postar um comentário