segunda-feira, 18 de junho de 2018

CONFLITOS NA ADOLESCÊNCIA


Quando falamos sobre conflitos na adolescência precisamos compreender os termos, a saber:

CONFLITOS E ADOLESCÊNCIA
Conflitos
O conflito surge quando há a necessidade de escolha entre algumas situações que podem ser consideradas incompatíveis. Todas as situações de conflito são antagônicas e perturbaram a ação ou a tomada de decisão por parte da pessoa ou de grupos.

Kurt Lewin define o conflito no indivíduo como:

"a convergência de forças de sentidos opostos e igual intensidade, que surge quando existe atração por duas valências positivas, mas opostas (desejo de assistir a uma peça de teatro e a um filme exibidos no mesmo horário e em locais diferentes); ...”
“ou duas valências negativas (enfrentar uma operação ou ter o estado de saúde agravado);...”
... ou uma positiva e outra negativa, ambas na mesma direção (desejo de pedir aumento salarial e medo de ser demitido por isso".
(Kurt Lewin)

Como estamos falando de um Conflito que acontecer durante o desenvolvimento do ser durante a passagem de uma faixa etária, entende-se:

Choque de duas grandes forças antagônicas, "que podem ser exteriores ao indivíduo (conflito entre indivíduo e sociedade);...”
“ou intrapsíquicas (forças conflitantes do interior do indivíduo que se dão, por exemplo, entre os impulsos de separação, individuação e autonomia e os impulsos de integração, comunhão e submissão".
(Salvatorre Maddi)

Logo, o termo “Conflito” empregado, indica um processo de adaptação de um ser a uma determinada faixa etária.

Adolescência
Adolescência é a fase que marca a transição entre a infância e a idade adulta.

Caracteriza-se por alterações em diversos níveis - físico, orgânica, mental e social - e representa para o indivíduo um processo de distanciamento de formas de comportamentos e privilégios típicos da infância e de aquisição de características e competências que o capacitem a assumir os deveres e papéis sociais do adulto, havendo divergências quanto a idade exata, por questões culturais e de legislação, no entanto, aceita o período da adolescência entre 12 – 18 anos.

Portanto, vamos focar na adolescência e nos conflitos próprios dessa faixa etária.

CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÕES DA ADOLESCÊNCIA
As definições dependem de diferentes critérios, a saber:

Critério cronológico
Adolescência é um período da vida humana que se estende dos 10-12 aos 20-21 anos.

Critério do desenvolvimento físico
Etapa da vida compreendida entre a puberdade e a idade viril; período de transição durante o qual o jovem ou a jovem se tornam adultos.

Critério sociológico
Período da vida de uma pessoa durante o qual a sociedade em que vive deixa de encará-lo como criança e não lhe confere plenamente os status, papéis e funções de adultos.

Critério psicológico
Período de extensa reorganização da personalidade, que resulta de mudanças no status bio-social entre a infância e a idade adulta.

CARACTERÍSTICAS DA ADOLESCÊNCIA
As características variam, no entanto a maioria aponta para uma fase de conflito, portanto, não existe uma obrigatoriedade para que isso seja um fato em todos os adolescentes.

Vejamos algumas características:

1. Alterações morfológicas, que levam o jovem a certa desorientação a respeito de sua aparência;
2. Alterações dos sentimentos vitais, com bruscas mudanças do humor e instabilidade resultantes da falta de base cenestésica e hormonal sólida;
3. Erotização do campo de consciência e procura do complemento, isto é, do companheiro de sexo oposto;
4. Busca ansiosa do mistério da vida e da morte, com preocupação crescente pelo futuro;
5. Independência ou desmame psicológico do lar, marcada por oposição e negativismo;
6. Fixação do papel social  profissional: planificação da vida, escolha de estudos e/ou profissão, distrações, etc.

NORMAL X ANORMAL
Para Anna Freud, (psicanalista, filha de Freud) afirma que a adolescência  é um período de transtornos e rebelião e que as tensões e alterações devem ser consideradas normais e que ajustes interiores estão ocorrendo.

Aqueles que, durante a adolescência permanecem dóceis e submissos aos pais, são “bons filhos” normalmente exibem resistência em crescer e muitas vezes precisam de ajuda psicoterápica para remover restrições que os impedem a trilhar o caminho do desenvolvimento normal. 

TAREFAS EVOLUTIVAS
As tarefas evolutivas surgem em certo período da vida do indivíduo, cuja realização, se bem sucedida, conduz à felicidade e ao êxito em tarefas posteriores, enquanto o fracasso produz felicidade, desaprovação da sociedade e dificuldade na realização de tarefas posteriores.

AS PRINCIPAIS TAREFAS EVOLUTIVAS
1. Aceitar e aproveitar ao máximo o próprio corpo;
2. Estabelecer relações sociais mais adultas com companheiros de ambos os sexos;
3. Chegar a ser independente dos pais e de outros adultos, dos pontos de vista emocional e pessoal;
4. Escolha de uma ocupação e preparação para a mesma;
5. Preparação para o noivado e matrimônio;
6. Desenvolvimento de civismo;
7. Conquista de uma identidade pessoal, uma escala de valores e uma filosofia de vida.

As tarefas evolutivas citadas são lições que o adolescente deve necessariamente aprender dentro do período em que se encontra, dependendo disso o seu desenvolvimento de modo satisfatório.

TIPOS DE ADOLESCENTES
Tipo 1
Marcado por crises e conflitos e resulta em verdadeira mudança de personalidade: o adolescente, ao atingir a maturidade, vê-se a si mesmo como uma outra pessoa.

Tipo 2
Desenvolvimento envolve um processo lento, gradual, contínuo, de passagem pela adolescência; não ocorrem transformações básicas na personalidade.

Tipo 3
Caracterizado por autocontrole e autodisciplina, corresponde a um tipo de desenvolvimento do qual o próprio adolescente participa de modo consciente e ativo.

Outros
Extremamente dóceis à imposição do meio;
Extremamente rebeldes;
Mistos e intermediários.

A PSICANÁLISE E A ADOLESCÊNCIA
Apesar Freud, pai da Psicanálise não estudar tão profundamente a Adolescência, ele nos trás algumas contribuições que ajudam a entender a adolescência.

Para a Psicanálise a personalidade é constituída, basicamente, por impulsos inatos, positivos ou negativos, que levam o indivíduo a procurar satisfazer suas necessidades.

Freud também apresentou as fases do desenvolvimento psicossexual que serve de base para a personalidade humana, colocando a adolescência como FASE GENITAL, que vem após a FASE DE LATÊNCIA.

FATORES DO DESENVOLVIMENTO DA ADOLESCÊNCIA
Genético
Propriedades fisiológicas do ovo fertilizado.

Químico pré-natal
Influência nutritiva ou tóxica no ambiente uterino.

Químico pós-natal
Influência nutritiva ou tóxica: alimento, água, oxigênio, drogas, etc.

Sensorial, constante
Experiência pré e pós-natal normalmente inevitável para todos os membros da espécie.

Sensorial, variável
Experiência que varia de um membro da espécie para outro.

Traumático
Eventos físicos que tendem a destruir células: uma categoria de eventos “anormais” a que o animal jamais pode se expostos, ao contrário do que ocorre com os fatores 1 e 5.

DIVISÃO DA ADOLESCÊNCIA
Dos 10 aos 12 anos – Pré adolescência;
Dos 13 aos 15 anos – Adolescência Inicial;
Dos 16 aos 18 anos – Adolescência Média;
Dos 18 aos 21 anos – Última adolescência.

FONTES DE CONFLITOS NA ADOLESCÊNCIA
AS CARACTERÍSTICAS PSICOLÓGICAS DA ADOLESCÊNCIA
Para alguns estudiosos a adolescência é algo “normal anormal”, pois a pessoa nem é criança e nem é adulta. Vive um dilema entre a adequação e inadequação.

Vejamos as principais características psicológicas dessa fase etária:
Busca de si mesmo e da identidade;
Tendências grupais;
Necessidade de intelectualizar e fantasiar;
Crises religiosas;
Deslocamento temporal;
Evolução sexual do autoerotismo à heterossexual ou homossexualismo;
A curiosidade sexual pode levar os adolescentes a ter interesse pela masturbação, havendo em alguns casos o exibicionismo e voyeurismo;
Atitude social reivindicatória;
Contradições sucessivas em todas as manifestações de conduta;
Separação progressiva dos pais;
Constantes flutuações do humor;
Desenvolvimento cerebral e suas reações.

OS PROBLEMAS DA ADOLESCÊNCIA
Os problemas da adolescência são devidos à própria personalidade do rapaz ou da moça, e ao ambiente, e emergem da forma como se estabelecem e são ou não satisfeitas as necessidades.

 As dificuldades estão relacionadas a:
Interesses hetero-sexuais;
Diminuição da masturbação;
Escolha de amigos;
Compreensão gradativa da maturidade física;
Emancipação do lar, que leva o adolescente a tomar decisões sem o controle dos pais e a ver nestes mais amigos que protetores;
Planejamento dos trabalhos e divisão do tempo para estudo, trabalho, esportes, namoro, diversão, etc;
Amadurecimento emocional, que vai permitir reações objetivas, menos inocentes, e que levam o rapaz ou a moça a eliminar medos e ansiedades infantis;
Estabelecimento de modos de encarar as críticas sem ressentimentos;
Amadurecimento social, que determinará o sentimento de segurança;
Habilidade em participar da vida social, integrar ou deixar de integrar um grupo;
Desenvolvimento do sentimento de tolerância em relação à família, professores, grupos sociais e indivíduos de raça, nacionalidade, religião ou classe social diferente da sua;
Início da independência financeira, que obriga o adolescente a avaliar suas capacidades e realizações, o treino vocacional e a escolha de uma carreira profissional;
Desejo de conhecimentos e aprimoramento de suas habilidades;
Dúvidas quanto à autoridade de que estão investidas as pessoas e as organizações;
Desenvolvimento de passatempos que não exigem muito esforço;
Dedicação aos esportes;
Filiação a um clube ou organização social;
Preocupação com o significado da vida;
Compreensão do lugar que ocupa no mundo e da importância da própria personalidade.

 RESOLUÇÃO DOS CONFLITOS NA ADOLESCÊNCIA
Assim como os conflitos outros, para ter uma solução pacífica, necessitam de todos os meios possíveis de negociação das controvérsias, sendo  executadas com diplomacia, bons ofícios, arbitragem e conciliação, o mesmo acontece na resolução dos conflitos presentes na adolescência.

CONCLUSÕES
Os conflitos presentes na Adolescência devem ser vistos como algo natural e administrados como tal, pois os mesmos resultam das tentativas e tentativas do ser em se adaptar a nova faixa etária.

O conflito, no entanto, pode ter efeitos negativos como positivos, mas em certos casos e circunstâncias, como fator motivacional da atividade criadora.

O que teremos na fase adulta após a fase da adolescência, vai depender muito como cada ser lida com esses conflitos, ou melhor, como você vai lidar com os novos conflitos que vão surgir nas próximas faixas etárias, vai depender do equilíbrio que você encontrar, como encontrou ou não nas faixas anteriores.

No entanto, é bom que se diga, isso não depende só do individuo, do ser, mas de todo um conjunto consciente e inconsciente, material e imaterial; cerebral e mental, emocional e sentimental e até espiritual, em alguns casos.

O importante em tudo isso é o equilíbrio, o caminho do meio.

Postar um comentário